As mudanças que as universidades estavam esperando

Mudanças nas universidades que agentes de inovação da educação há muito tempo buscavam estão agora em destaque

Enquanto as faculdades e as universidades continuam superando os desafios desta era de pandemia, uma nova realidade está se revelando aos poucos: esta crise não se resolverá no curto prazo. Escolas estão tentando descobrir como lecionar e receber alunos com segurança, como fornecer aos professores e funcionários locais seguros para trabalhar e como não ir à falência. Correções urgentes de curto prazo e melhorias há muito necessárias para as empresas de ensino superior estão se alinhando, contribuindo para mudar o cenário para melhor.

Instruções mais significativas são uma parte fundamental do debate atual. Agentes que defendem a inovação há muito tempo tornaram-se agora orientadores para colegas desesperados para descobrir como o ensino on-line pode ser realizado da maneira satisfatória, não apenas como modo de transmissão de informações, mas também como uma plataforma para troca real de ideias, desenvolvimento do senso de comunidade e estímulo à curiosidade.

Porém, o processo para desenvolver o ritmo do ensino fora da sala de aula, do laboratório e de outros modelos tradicionais é demorado. Devido à COVID-19, dezenas de milhares de professores talentosos e criativos da velha guarda precisaram agora se aprofundar no universo digital, rompendo resistências e descobrindo novas formas de ensinar e aprender de maneiras novas e promissoras. Nos próximos meses, novas abordagens e melhores práticas devem surgir, acompanhadas de muita celebração, com o renascimento da “sala de aula”, seja qual for o formato que ela venha a ter.

Universidades serão mais acessíveis

Finalmente, o aumento descontrolado do custo do ensino superior está sendo abordado com seriedade. É claro que, no curto prazo, os custos para operar faculdades e universidades aumentaram. Novas salas de aula temporárias estão surgindo em campi de todos os lugares, desde a Universidade de Tulane em Nova Orleans até a Universidade Estadual de Ohio em Columbus, a um custo nada baixo. A redução da densidade de dormitórios e salas de aula aumentou os custos por aluno para as instalações. E mesmo quando os custos caíram devido a grandes grupos de estudantes utilizarem soluções virtuais para o aprendizado, a perda de renda de dormitórios e de serviços de alimentação pressiona os orçamentos escolares.

Mesmo diante desses desafios, algumas escolas estão focadas no longo prazo, reduzindo os custos diretos para os alunos: a Universidade de Seattle Pacific acaba de reduzir 25% nas mensalidades para o ano letivo de 2021/22. A anuidade da sofisticada Williams College foi reduzida no ano atual em 15%, e a Southern New Hampshire University aplicará uma redução de 60% nos custos para o próximo período.

Aulas on-line estão se tornando muito mais aceitas

Além dessas manchetes, no entanto, há uma nova flexibilidade na disponibilidade de cursos acontecendo rapidamente no ensino superior, que fará uma grande diferença para os alunos. Durante anos, os programas on-line pioneiros de instituições variando da Universidade de Maryland à Universidade de Harvard limitaram-se a núcleos da comunidade antiga e da educação contínua, como a Harvard Extensão School. 

Embora compartilhando do mesmo rigor e de algum envolvimento do corpo docente com campi tradicionais, esses programas têm sido, há anos, cuidadosamente afastados das marcas, especialmente em instituições de elite, muitas vezes devido à preocupação de associar os graduandos à percepção de alunos mais velhos com menor desempenho e de educação continuada. Mas isso acabou. Agora, aulas on-line foram integradas em quase todos os programas de todas as universidades. As universidades não têm outra escolha.

WeWork 1 South Dearborn em Chicago, IL.

Administradores de instituições que vão desde o sistema da Universidade da Califórnia até a Northeastern University, em Boston, estão planejando dar aos alunos mais opções, combinando cursos on-line com aulas no campus, de certa forma permanentemente. E aquela introdução de 200 pessoas ao curso de psicologia? Ela não voltará (principalmente por razões de saúde), pelo menos não na forma tradicional. Espera-se que surja uma combinação de aulas on-line, com cursos com dezenas de milhares de alunos (um modelo validado pela Coursera e seus numerosos cursos on-line abertos, também conhecidos como MOOCs), e grupos menores de discussão presenciais.

Estas mudanças terão um grande efeito sobre a viabilidade financeira do ensino superior. Para os estudantes, há dois aspectos nesse custo: o valor que você paga e o que você renuncia. Desde pais solteiros que não podem contratar escola infantil particular pelo dobro do preço da anuidade até alunos que gostariam de obter um MBA, mas não podem passar dois anos sem receber salário, durante décadas os alunos têm feito o que os consultores de gestão chamam de matemática de custo total de propriedade, encontrando pouquíssimas maneiras de pagar a anuidade e, ao mesmo tempo, renunciar aos ganhos e acumular novos custos. 

A oportunidade de fazer alguns ou todos os cursos de graduação em programas básicos de formação em universidades bem conceituadas (não de maneira periférica, mas em seus centros) e de continuar trabalhando ao mesmo tempo representará uma oportunidade preciosa para milhões de pessoas.

E, é claro, mais acessibilidade significa mais diversidade, já que mais alunos presos na base da pirâmide da economia passaram a descobrir que o custo total da formação universitária está efetivamente caindo. Isso representa uma grande vitória para a maioria das faculdades e universidades.

Novas formas de administrar universidades

Instituições que variam desde a Universidade de Maryland à Universidade de Purdue, em Indiana, descobriram que programas on-line bem planejados e respaldados trazem milhares, na verdade, dezenas de milhares, de novos alunos. Muitos dos programas de maior sucesso empregam um modelo híbrido que reúne grupos de alunos no campus por alguns dias por período, como a Northeastern está fazendo muito bem em seus programas de pós-graduação. As universidades também estão fazendo parcerias com escolas locais e comunidades de coworking, como a WeWork para criar zonas de aprendizagem próximas a grupos de alunos

WeWork Preston Center em Dallas, TX.

A Universidade de Londres oferece um catálogo amplo e detalhado de ofertas on-line há quase 20 anos. Como pioneira nessa estratégia, ela aprendeu que os parceiros locais agregam valor ao fornecer uma comunidade física para ajudar os alunos a aprender mais, persistir na formação acadêmica e desenvolver senso de comunidade. Mais faculdades e universidades nos EUA devem passar a seguir esse modelo e construir um futuro melhor no processo.

Peter Temes é fundador e presidente do The Institute for Innovation in Large Organizations. Foi presidente da Antioch New England Graduate School, reitor e diretor executivo do campus da Northeastern University e membro do corpo docente da Universidade de Harvard. Ele é o autor de vários livros e escreveu sobre educação para The New York Times, The Chronicle of Higher Educatione Education Week.

ARQUIVADO EM
FLEXIBILIDADE INOVAçãO
Interessado em um espaço de trabalho? Entre em contato.