Impulsionar o futuro do trabalho: o novo normal e suas sinergias

Trabalhar virtualmente ou em um espaço colaborativo não são opções opostas; a chave para o futuro do trabalho está em um modelo híbrido

Nestes meses de pandemia, todos nos tornamos especialistas em comunicação por meios virtuais. Esse foi o formato escolhido por Claudio Hidalgo, head da WeWork América Latina, e David Díaz head do Zoom América Latina, para conversar sobre os novos hábitos deixados pela COVID-19 no universo laboral. A conceituada jornalista Susana Sáenz foi moderadora deste evento, onde refletiu-se sobre o passado, o presente e o futuro dos hábitos no mundo do trabalho.

“O primeiro escritório da humanidade foi criado por volta do ano 1700, com o surgimento da Revolução Industrial. Nesse escritório os funcionários trabalhavam oito horas diárias, cinco dias por semana, no mesmo lugar.” afirmou Sáenz na abertura do evento. Parece familiar? Até fevereiro de 2020, esse continuava sendo o modelo predominante em praticamente todos os setores e em todo o mundo. Porém, a COVID-19 interrompeu esse hábito e as mudanças trazidas por ela nos fazem questionar até que ponto esse modelo continua funcionando para a humanidade de hoje, depois de tantas mudanças e avanços tecnológicos acontecidos nos últimos séculos. 

Ferramentas conhecidas, hábitos novos

Tanto o Zoom como a WeWork já apostavam na inovação no universo do trabalho. Por isso, quando a pandemia chegou, as duas empresas encontraram-se com bases sólidas que constituiriam os pilares do que era necessário para continuar trabalhando apesar da COVID-19. “Conforme passavam os dias e as semanas,” contou Hidalgo, “começamos a perceber que nossos espaços estavam preparados para essa flexibilidade”. 

Claro, ninguém ficou isento da necessidade de adaptação que atingiu o mundo inteiro. No caso da WeWork, os primeiros esforços foram focados na segurança de seus membros e, devido a isso, foram reforçados os protocolos de limpeza e implementadas novas medidas de higienização. Mas, uma vez criadas as condições para receber os membros de volta, foi uma agradável surpresa descobrir que o mercado estava se expandindo. Depois do furor do home office, o pêndulo começou a se estabilizar no meio, em busca de um modelo mais híbrido, que era justamente o que a WeWork tinha para oferecer. “Começamos a ver que nossos clientes, ao invés de ir a apenas um edifício, passaram a ir para mais de um, o que estava mais próximo de suas casas. E isso começou a reativar as visitas aos nossos locais.” contou Hidalgo. Na WeWork as empresas encontraram a solução para brindar a seus colaboradores um espaço de trabalho alinhado com as normas de segurança e higiene, e equipado com as ferramentas necessárias (como a tecnologia e os espaços ágeis e produtivos) para levar adiante a jornada de trabalho. “Cada vez que você pisa em um de nossos locais, você se apaixona.” apontou Hidalgo. 

De sua parte, Díaz compartilhou como foi o crescimento do Zoom durante a pandemia. “Cerca de mil funcionários foram incorporados à empresa durante estes meses e eles ainda não conhecem seus escritórios, nem os seus chefes”. Por esse motivo eles experimentaram, em primeira mão, o que é trabalhar totalmente de forma virtual, seus benefícios e suas necessidades. Eles sabem então a importância de incorporar funcionalidades colaborativas, dinâmicas e criativas em seus produtos e acompanhar seus clientes em suas experiências virtuais da melhor forma possível. Graças ao Zoom, empresas de diversos setores puderam continuar trabalhando e, por meio de suas novas implementações, também puderam apoiar a cultura e a comunidade das empresas.

O futuro é híbrido 

Tanto Hidalgo quanto Díaz concordaram que as habilidades desenvolvidas durante a pandemia vieram para ficar, porque melhoraram a qualidade de vida e nos ajudaram a otimizar nosso tempo. “A forma como as pessoas trabalham mudou para sempre”, disse Díaz. Mas, além do que empresas como o Zoom e a WeWork podem oferecer, o que será decisivo para o futuro do trabalho, segundo Hidalgo, serão as decisões de liderança que as organizações tomarão em relação à forma como desejam que seus funcionários trabalhem.

Para ambos os executivos, não há dúvida: um modelo híbrido será adotado no futuro. Isso significa desenvolver novas formas de trabalho que permitam aos funcionários alternar entre o trabalho no escritório e o trabalho remoto, sem negligenciar a necessidade de conexão humana. Embora, com ferramentas como o Zoom, tenha ficado claro que podemos nos conectar com qualquer pessoa a qualquer momento, o espaço físico oferece, segundo Díaz, um elemento que a experiência virtual não pode suplantar.

Na mesma linha, quando Sáenz se propôs a pensar como será o futuro do trabalho em dez anos, Hidalgo apontou que o trabalho em si poderá ser feito de qualquer lugar. A única coisa que continuará cem por cento presente é a conexão entre as pessoas: a comunidade, a interação, o relacionamento interpessoal, que é o que dá origem à criatividade, ao brainstorming, à inovação, e que impulsiona a produtividade dos colaboradores. Isso não significa, porém, que as pessoas que trabalham na mesma empresa devam estar juntas no mesmo prédio. As interações com pessoas de outras organizações, que é um dos benefícios do WeWork, também pode nos ajudar a impulsionar nosso próprio negócio.

Nada se perde, tudo se transforma

Antes, as pessoas “tinham” que trabalhar em um local físico e agora elas “querem” fazê-lo. Trabalhar em casa não é sustentável a longo prazo, mas também destinar várias horas do dia apenas para ir ao local de trabalho, tampouco. Duas empresas que podem parecer à primeira vista opostas, porque uma promove a virtualidade (Zoom) e a outra o trabalho colaborativo presencial (WeWork), na verdade constituem uma sinergia. O futuro do trabalho precisa de ambos os elementos para poder avançar, além do COVID-19.

Muitas empresas cresceram graças ao fato de poderem se conectar com seus clientes de forma virtual, segundo afirmou Díaz no final do encontro. E isso fará parte do novo normal. Para continuar facilitando esse modelo híbrido, será necessário continuar investindo em tecnologia de ponta.

Mas não é necessário projetar muito para saber como será o futuro do trabalho. “Estamos muito entusiasmados por estarmos preparados”, disse Hidalgo. “O futuro do trabalho está presente hoje em nossos espaços WeWork e já podemos começar a apreciá-lo agora. Aproveitar tudo de positivo que a pandemia significou para nós. Não temos que esperar, isso já existe hoje, podemos aproveitar. ” No entanto, o que já existe não é suficiente “Precisamos modificar rapidamente a legislação trabalhista para abrir as portas da flexibilidade e ter ferramentas para mudar para sempre a história do trabalho”, concluiu.

Clique aqui para acessar a palestra completa em espanhol. Para obter mais informações sobre como a WeWork está redefinindo o futuro do espaço de trabalho, visite wework.com/pt-BR/tomorrow

Interessado em um espaço de trabalho? Entre em contato.
Was this article useful?