Diferença entre reunião e conexão

Falamos muito sobre a criação de conexões entre as pessoas, mas o que isso realmente significa?

Diga o que quiser sobre Marie Kondo e o movimento de organização, mas ela trouxe à luz uma visão profunda, ouso dizer, de "mudança de vida" que chamou a atenção do mundo: a diferença entre arrumar e limpar. A lição a ser aprendida foi que, enquanto muitas pessoas foram ensinadas a limpar, elas não foram necessariamente ensinadas a arrumar. Estavam praticando um comportamento, mas queriam o resultado de outro. Kondo nos ensinou que limpar é um ato de higiene e arrumar é um ato de organização e categorização, aplicável a uma casa inteira, com um efeito cascata em toda a vida de uma pessoa.

É tão fácil ignorar termos que achamos que conhecemos, apenas pelo fato de sermos humanos. Para esse fim, há outro conjunto de palavras que precisamos diferenciar claramente: reunião e conexão.   

Temos a tendência de usar reunião e conexão de forma intercambiável, especialmente no local de trabalho. Mas são dois tipos diferentes de interação. Observar esses conceitos com um olhar tão crítico pode parecer excessivo, mas entender mal essa diferença está no cerne do motivo pelo qual tantos eventos de “formação de equipe” e de rede de contatos ficam aquém das expectativas. Enquanto os empregadores estão lá fora tentando estabelecer conexões entre seus funcionários, eles geralmente estão simplesmente estabelecendo condições para a “reunião”. Depois de entendermos a diferença entre reunião e conexão, poderemos começar a programar eventos no local de trabalho (e o objetivo por trás deles) de forma diferente, resultando em maior sucesso. 

O que é reunião?

A reunião é geralmente caracterizada por apresentações iniciais. Sei disso muito bem graças aos meus sete anos de experiência na indústria de encontros online. Durante a reunião, é mais provável que as pessoas troquem informações sobre si mesmas, em vez de histórias. Você provavelmente já conversou com alguém que está solteiro e participa de encontros, e a queixa mais comum que ouvirá é quão exaustivo é o processo de encontros. Claro que parte disso é causado pelo próprio processo, é como lançar dados de forma logística para correspondência, bate-papo e coordenação de uma data para encontro em pessoa. Mas, se você ouvir mais de perto, poderá achar que o aspecto mais exaustivo desse processo é a troca repetida de informações que o pretendente está fazendo. 

Apenas trocar informações não fornece informações significativas sobre uma pessoa. E sem essa percepção significativa, em um cenário como os encontros amorosos, é tão fácil dispensar alguém. Um comentário, um dia ruim ou não dividir a conta da maneira que você achar apropriada pode significar que nunca vai acontecer um segundo encontro.

No local de trabalho, somos suscetíveis de fazer esses mesmos julgamentos rápidos sobre nossos colegas porque nunca os conhecemos em um nível mais profundo. O melhor exemplo de como estamos simplesmente nos encontrando, mas não nos conectando, no local de trabalho pode ser a dependência excessiva de happy hours como um evento social. Não é que certas pessoas não consigam ou nunca se conectem em um happy hour. Mas essas condições são mais adequadas para uma breve introdução a muitas pessoas, em vez de uma conexão mais forte com algumas, que é o que cria uma experiência mais significativa para os funcionários.

O que é conexão?

Conectar-se é ter um vislumbre mais substancial de alguém. Tem uma qualidade energizante e tende a ocorrer quando você ouve sobre a jornada de uma pessoa. Conectar-se é ir além das manchetes e das brincadeiras, sem precisar divulgar todas as suas vulnerabilidades ou momentos altamente pessoais. Conectar pode ser tão simples quanto conversar sobre um episódio de Game of Thrones ou descrever o incrível burrito com queijo extra que você comeu na noite passada.

Pense nos momentos em que alguém lhe contou uma história e você a visualizou enquanto eles falavam. Você começa a imaginar essa pessoa em um contexto diferente e, como resultado, é capaz de desenhar uma imagem mais holística dela em sua mente. Isso não significa que você precise gostar da pessoa ou se tornar amigo dela, mas com esse tipo de interação, você poderá ter uma visão mais completa de quem ela realmente é.

Como criar conexões no local de trabalho

É nesse ponto no qual os empregadores desejam ler uma lista de "dicas e truques" para ajudar seus funcionários a se conectarem, levando a um ambiente de trabalho mais gratificante. Eis o seguinte: não pense em termos de dicas e truques. Isso significa que você está pensando taticamente (abordando algo agora) e não estrategicamente (considerando o objetivo geral). Em vez disso, pense de maneira holística sobre a criação de cenários em que as pessoas possam ir além das informações ou manchetes básicas de uma pessoa e entrar em um espaço onde a conexão verdadeira possa ocorrer. 

Por exemplo, vamos começar com o pilar de tantas reuniões de trabalho: alimentação. É fácil pensar que basta ter alimentos de graça disponível para atrair as pessoas. Em teoria, sim, mas estamos buscando o significativo, não apenas logístico. Quando pedimos comida para uma reunião de equipe, pensamos sobre restrições alimentares, alergias e possíveis preferências do grupo. Mas e se pensássemos em comida como uma maneira de realmente aprender mais sobre nossos funcionários? Na WeWork, lancei um conceito simples, mas que ajuda nas conexões, chamado “Festa dos Favoritos”.

Veja como funcionou: antes de uma refeição em equipe, enviei um questionário curto e divertido para nossa equipe de 15 pessoas, sem deixar de incluir cinco pessoas que acabaram de se juntar à equipe para garantir uma variedade de experiências de funcionários. Fiz perguntas como: “Que comida você procura imediatamente em um menu de bar?” e “O que é um alimento que faz você sorrir?”; “Que você nunca recusará?”; “Que te deixa impotente?”; “Que representa sua cultura ou vida doméstica?” 

Depois de fornecer esses itens de alimentos com base nas respostas da pesquisa, reunimos todos os alimentos rotulados, indicando qual item estava relacionado a qual membro da equipe. Nesse processo, estávamos compartilhando mais do que apenas alimentos com base em restrições alimentares. Estávamos compartilhando motivos que nos faziam sorrir, desejos, vontades e preferências, sejam sofisticados ou populares. De repente, a comida não era apenas um item de menu; era uma maneira de aprender mais uns sobre os outros. Nosso engenheiro de software, que é paquistanês, teve a chance de falar sobre o curry de peixe bengali. Os olhos do nosso designer brilharam quando as barras de limão apareceram. Nosso líder de equipe fez muitos elogios ao macarrão com queijo e trufas. 

Diferença entre reunião e conexão

Poderíamos apenas ter compartilhado uma refeição. Em vez disso, chegamos a um nível mais profundo quando conhecemos mais nossos colegas. O evento esteve repleto de conversas animadas e ninguém precisou jogar conversa fiada ou recitar uma lista de fatos sobre si. Não foi preciso revelar nada muito pessoal, e ninguém se sentiu desconfortável. 

Veja como pode ser fácil criar conexões mais autênticas no local de trabalho. Se uma reunião serve para conhecer o nome e o cargo de alguém, conectar-se pode ser tão simples quanto aprender que seu colega acredita que as barras de limão são a união perfeita de torta e textura. 

Conexão é ir além do básico. Não deixe isso para um evento externo. Não parece que a discussão deva ser intimamente pessoal ou dolorosa (você não precisa se aprofundar nas dificuldades de alguém). Não se trata de torná-la pessoal. É sobre abrir espaço para a personalidade de uma pessoa.

Lakshmi Rengarajan é a consultora de conexão no local de trabalho da WeWork. Antes da WeWork, Rengarajan era a diretora de design e estratégia de eventos da Match.com, e ela fundou e desenvolveu o Me So Far, um fórum de namoro off-line para ajudar os solteiros a se encontrarem até realmente se conectarem.

Interessado em um espaço de trabalho? Entre em contato.